© 2017 por PREMIUM LIFE. Todos os direitos reservados.

FALE CONOSCO

Email: equipe@premiumlife.com.br

Tel: (21) 99773-7137 

REDES SOCIAIS:

  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Instagram - White Circle

O Poder da Tireoide -

 Parte 1

 

Você engordou sem motivo aparente? Está sempre cansado e desmotivado para atividades que antes lhe davam prazer? Notou mudanças na sua pele, cabelo ou unhas, como se estivessem ressecados? Tem constantes esquecimentos e alguns picos de nervosismo? Cuidado, se a sua resposta foi ‘sim’ para três ou mais, você pode estar com problemas de tireoide desregulada. Apresente seus sintomas, o mais rápido possível, a um médico especializado em disfunções hormonais.

 

Entender como a tireoide funciona em nosso organismo é o primeiro passo para nos aprofundarmos nesse tema. Então vamos lá! A tireoide é o centro de comando hormonal que regula os hormônios que controlam tudo em nosso organismo, desde a energia até o metabolismo. É importante entender o estado da sua tireoide, para garantir que você não esteja negligenciando problemas ocultos em sua saúde.

 

O que é tireoide?

A tireoide é uma glândula em forma de borboleta e se localiza na parte anterior do pescoço. Ela atua no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes, no peso, na memória, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, na concentração, no humor e no controle emocional.

 

A tireoide regula a função de importantes órgãos do nosso corpo como o coração, o cérebro, o fígado e os rins. Ela produz os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). Dessa forma, garante o equilíbrio do organismo.

 

Os hormônios tireoidianos interagem com todos os seus outros hormônios, incluindo insulina, cortisol e hormônios sexuais, como estrogênio, progesterona e testosterona. O fato de que esses hormônios estão todos unidos e em a comunicação constante explica por que uma tireóide desregulada está associada a tantos sintomas e doenças generalizadas.

 

Quando falamos de tireoide, logo associamos aos seus distúrbios. Os problemas de tireoide infelizmente se tornaram bastante comuns. E os mesmos fatores de estilo de vida que contribuem para a obesidade, câncer e diabetes estão causando estragos na tireoide. Estes incluem açúcar/frutose, alimentos processados, estresse, toxinas ambientais e falta de exercício.

 

Disfunções na tireoide podem acontecer em qualquer etapa da vida e são simples de se diagnosticar. A tireoide possui dois tipos de distúrbios, o hipertireoidismo e hipotireoidismo. Entenda a diferença:

O hipotireoidismo é quando a glândula produz pouco hormônio e deixa o organismo lento.

O hipertireoidismo, situação contrária em que o corpo fica acelerado demais, são bem conhecidos e estudados.

Muitas vezes, os distúrbios da tireoide aumentam a tireoide e incham o pescoço, o que é chamado de bócio.


Segundo o Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (http://www.tireoide.org.br/o-que-e-a-tireoide/), 8% dos brasileiros sofrem com o hipotireoidismo, 1,2% tem hipertireoidismo e 50% deles não sabem que têm disfunções tireoidianas.

 

Sintomas do hipertireoidismo:
- Emagrecimento, apesar do apetite aumentado;
- Coração disparado;
- Intestino solto;
- Agitação, como: falar demais, gesticular muito, dormir pouco, sentir-se com muita energia,
embora também esteja cansado (a);
- Nervosismo, ansiedade, inquietação;
- Menstruação irregular;
- Tremores nas mãos;
- Dificuldade para dormir e para se concentrar;
- Cabelos finos e quebradiços;
- Fraqueza muscular;
- Diminuição da libido;
- Náuseas e aumento do número de evacuações intestinais;
- Olhos salientes e inchaço na parte inferior da garganta.

Sintomas do hipotireoidismo:
- Perda de memória;
- Cansaço excessivo;
- Dores musculares e articulares;
- Sonolência;
- Aumento dos níveis de colesterol no sangue;
- Pele fria e seca;
- Ciclo menstrual irregular;
- Desaceleração do metabolismo, que leva ao ganho de peso.
- Cãibras;
- Dor de cabeça;
- Unhas frágeis e quebradiças;
- Rosto, mãos e pés inchados;
- Queda de cabelo sem causa aparente e cabelos mais finos, secos e sem brilho;
- Batimentos cardíacos mais lentos que o normal;
- Tendinite nas mãos ou síndrome do túnel do carpo.
- Olhos inchados com edema de pálpebras;
- Sensação de frio;
- Dificuldade de concentração;
- Fala lenta;
- Nervosismo;
- Diminuição da audição ou surdez;
- Voz mais grave ou rouca;
- Sensação de fraqueza ou dormência;
- Mudança de personalidade, depressão, demência.

Como saber se sua tireoide está funcionando bem?

O reconhecimento de um nódulo na tireoide pode salvar uma vida. Por isso, a palpação da glândula é de fundamental importância. Se identificado o nódulo,  uma série de exames complementares devem ser feitos para confirmar ou descartar a presença de câncer. Estima-se que 60% da população brasileira tenha nódulos na tireoide em algum momento da vida. Mas isso não significa que sejam malignos. Apenas 5% são cancerosos.

O valor de TSH (hormônio estimulador da tireóide) é apenas parte da história para identificar alguma alteração na tireoide, os sintomas, achados físicos, genética, estilo de vida e histórico de saúde também são considerações importantes. Por isso, além do TSH, é necessário exames de T3 livre e T4 livre, para de fato mensurar o funcionamento da glândula, já que muitas vezes a produção desses dois hormônios é baixa, mesmo com o nível de TSH dentro da “média”.

Além do TSH: Temperatura Corporal Basal - método novo e preciso de verificar o hipotiroidismo.
A temperatura corporal basal (TCB) é a temperatura do corpo medida imediatamente após a pessoa acordar. Essa temperatura apresenta pistas quanto ao funcionamento da tireoide, pois ela indica a taxa metabólica do corpo e do calor que é gerado durante o metabolismo.

 Para realizar esse teste é necessário pegar um termômetro e deixá-lo ao lado da sua cama antes de dormir. Ao acordar (não levante da cama e nem faça movimentos bruscos), pegue o termômetro e verifique se a temperatura está abaixo de 35º C. Coloque-o abaixo da axila e deixe por 10 minutos. Passado esse tempo, verifique o resultado e anote-o.
Repita esse procedimento por 5 dias consecutivos. Se nesses dias de teste a temperatura do seu corpo estiver entre 36,5º C e 36,8º C, quer dizer que a sua tireoide está funcionando normalmente.

Se os resultados encontrados apontarem para temperaturas abaixo de 36,5º C, pode significar hipotireoidismo.
Se os resultados apontarem temperaturas acima de 36,8º C, pode significar hipertireoidismo. Certifique-se que você não está sofrendo nenhum processo inflamatório (como uma dor de garganta) nem está com febre, pois isso eleva a temperatura do corpo.

Este teste caseiro foi recomendado pelo Dr. Jacob Teitelbaum, médico americano coautor do livro Real Cause, Real Cure (Rodale, 2012), sem tradução para português.

*Para as mulheres que ainda menstruam, o teste deve ser feito no segundo, terceiro e quarto dias do ciclo menstrual. A ovulação pode alterar a temperatura do corpo de gerar resultados falsos. Nas mulheres que ainda não menstruaram, que estão na menopausa e nos homens, o teste pode ser feito em qualquer dia do mês.

 

Este teste é apenas mais uma maneira de verificar o correto funcionamento do seu corpo, ele não substitui a necessidade de consultar um médico para ter um diagnóstico preciso do seu caso.
 

Além do TSH: Depressão ou Hipotireoidismo? Quem é a causa e quem é a consequência?

Cerca de 30% dos pacientes com depressão apresentam hipotireoidismo e, em contrapartida, 50% dos pacientes com hipotireoidismo são depressivos. (Fonte: Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia http://www.tireoide.org.br/doencas-tireoidianas-e-depressao/).

Milhões de pessoas sofrem de depressão e quem têm um problema de tireoide têm uma maior incidência desta doença. Quando uma pessoa com uma condição da tireoide tem depressão, tipicamente seu médico vai fazer uma de duas coisas: aumentar a dosagem de levotiroxina sódica (hormônio sintético usado no tratamento de reposição hormonal) ou prescrever um antidepressivo.

Quando a dosagem de levotiroxina sódica é ajustada,  pode melhorar a situação, mas um problema comum é que os medicamentos sintéticos da tireoide comumente prescritos consistem apenas de T4. Como o tratamento único com levotiroxina é muitas vezes ineficaz, pode ser necessário adicionar T3, ou mudar para uma forma natural de hormônio da tireoide.

Quando é prescrito um antidepressivo, isso pode ajudar e pode ser necessário em casos extremos, no entanto esses medicamentos antidepressivos não fazem nada para eliminar a causa real da depressão. Assim, embora possa ser necessário que alguém com uma condição da tireoide tomar antidepressivos temporariamente, algo precisa ser feito para resolver a principal causa.

Os antidepressivos e ansiolíticos são remédios que podem criar dependência e podem piorar o hipotireoidismo. Remédios como o Rivotril e Valium criam dependência e podem causar o hipotireoidismo. Desta forma pode ser boa ideia tratar a depressão com suplementos naturais e mudanças de estilo de vida. Estas mudanças de estilo de vida incluem: uma dieta específica para o hipotireoidismo, exercício físico para normalizar os hormônios, melhorar a qualidade do sono e eliminar e controlar o estresse.

Em vez de depender apenas de medicamentos e suplementos para eliminar a depressão, a melhor maneira de tratar um problema de saúde é chegar à causa do problema. As pessoas com hipotireoidismo que estão tomando hormônio tireoidiano sintético precisam ter T3 adicionado, ou mudar para uma forma natural de hormônio da tireoide.

Pessoas com hipertireoidismo também podem desenvolver depressão. Embora isto não seja devido a uma deficiência hormonal da tireoide, pode ser a outro tipo de desequilíbrio no corpo. Assim, o objetivo óbvio é determinar quais os desequilíbrios que você possa ter, e depois corrigir isso. Esta abordagem geralmente vai ajudar a pessoa a superar a depressão naturalmente, e eventualmente permitir parar de depender dos antidepressivos.

#DicasdoDoutorDoc para superar a depressão causada pelo hipotireoidismo:

1- Seus problemas de saúde mental e emocional devem melhorar à medida que a sua tireoide se estabilize, a longo prazo as perspectivas são boas.

2 - Contar com um membro da família ou falar com um amigo pode ser de grande ajuda no tratamento.

3 - Muitas vezes os problemas na tireoide são hereditários, então é necessário que você encoraje os membros da sua família para que façam um exame de tireoide, assim eles também poderão se tratar se esse for o caso.

4 - Quanto mais vigilante você for e avaliar seus próprios sintomas, fatores de risco e apresentar ao seu médico, mais rápido será a identificação da sua disfunção e seu respectivo tratamento.

De forma geral, o tratamento dessas doenças é feito pelo uso de medicamentos de reposição hormonal (no caso de hipotireoidismo) e de inibidores hormonais (no caso de hipertireoidismo).

Para saber mais sobre "O Poder da Tireoide" baixe o e-book feito especialmente para ajudá-lo!